[Homenagem] Eu conheço uma Fênix


Olá, pessoinhas queridas!
Ano novo, a vida continua e o nosso blog, também.
Pra marcar a volta do nosso blog que esteve de férias em Dezembro, decidi falar de alguém que marcou positivamente não só o mundo literário, mas, também, a vida das pessoas que convivem ou conviveram com ela. Sei que temos muitas outras pessoas que brilharam nesse sentido, mas, a minha vida ficou mais enriquecida no convívio com essa mulher multitarefas (bióloga, cientista, bailarina, blogueira, escritora, bruxa, pesquisadora...) que exemplifica e desmitifica “Fênix” (aquela que renasce das próprias cinzas). Sim, porque se Fênix faz parte da mitologia grega, para mim, ela existe e chama-se Nuccia de Cicco.
Vamos ao texto? 
A fênix, fênice (português brasileiro), fénix (português europeu) ou ϕοῖνιξ (em grego clássico) é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em autocombustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Outra característica da fênix é sua força que a faz transportar em voo cargas muito pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes, podendo se transformar em uma ave de fogo.(Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.)


Esse texto não é resenha, primeiras impressões, apresentação de autora, divulgação... Não! Não é nada disso. Eu estava devendo algum comentário sobre o livro “Pérolas da Minha Surdez”, da autora Nuccia de Cicco, mas o blog já tem resenha do livro e a Giu (nossa administradora-mor) também já escreveu as primeiras impressões sobre ele. Entretanto, no ano passado, senti vontade, necessidade de falar alguma coisa sobre o livro.
Hoje, curtindo as minhas tão sonhadas e merecidas férias, num dado momento, quando estava ouvindo músicas (uma das minhas paixões) no MP3, literalmente, dei de cara com o livro da Nuccia. Na hora, peguei o livro e pensei: será que a Nuccia gostava muito de ouvir músicas? Se sim, como será que ela está sobrevivendo sem poder mais ouvi-las? Decidi, então, que esta era a hora de comentar sobre seu livro e foi assim que esse texto surgiu.
Fiquei (e ainda estou) com muitas dúvidas sobre o conteúdo do que vou escrever e se vai ser bem entendido por ela e por vocês. Cheguei a conclusão de que não consigo falar sobre “Pérolas da Minha Surdez” sem falar da Nuccia e que também não consigo falar sobre a Nuccia sem falar sobre “Pérolas da Minha Surdez”, pois Nuccia e “Pérolas da Minha Surdez” se explicam, se completam. Então, vou falar um pouco sobre a Nuccia entremeando com o livro (ou será o contrário)? Sei lá...
Bem, pessoal, tenho o privilégio de conhecer a autora pessoalmente, de tê-la visto se apresentar com seu grupo de dança do ventre, de termos conversado descontraidamente e zoado em um encontro no shopping, assim como tenho o prazer de interagirmos na internet através de nossos blogs, postagens e conversas ocasionais.
Quem leu seu livro ou tiver a curiosidade de ler terá uma autodescrição perfeita dela. O que posso falar sobre “Pérolas da Minha Surdez” é que ele é como a Nuccia: verdadeira, consciente, profissional, direta, franca, objetiva, transparente, sem “mimimis” e delongas.
O que isto significa? Significa que a Nuccia conseguiu colocar em seu livro um roteiro precioso de sua vida, fornecendo informações desde o dia de seu nascimento até os dias atuais sem ser prolixa desnecessariamente. Todas as informações que ela fornece são extremamente úteis para que o leitor mergulhe em sua história e sinta-se integrado na época e ambientes nos quais os fatos marcantes e determinantes de sua vida aconteceram.
A autora comenta que não se considera expert no assunto, mas que vive sempre numa incessante busca por informações científicas e tecnologias que a auxiliem na interação com o mundo e com as pessoas que a cercam. Duvido que você, pós-leitura de “Pérolas da Minha Surdez”, não se sinta, de alguma forma, uma pessoa diferente, seja pela emoção da história, seja por conhecimentos e/ou informações adquiridas ou por ser apresentada a uma mulher tão atuante e determinada que, como a Fênix, tem a capacidade de, a cada dia, renascer das cinzas.
Vou deixar claro que “Pérolas da Minha Surdez” não é um livro de autoajuda, não é um manual de como lidar com os surdos ou com a surdez, não é um livro triste e/ou deprimente, não eleva a autora ao posto de heroína, “Mulher Maravilha” ou afins, mas posso garantir que é um livro que traz um enredo tocante e instigante, no qual a Nuccia desempenha a personagem central da história, enfrentando inúmeras batalhas (batalhas, sim, porque a guerra contra a Neurofibromatose ou NF continua, não é, Nu, sua linda?) com muita garra, persistência e determinação, além de dar a oportunidade ao leitor de conhecer uma mulher multifuncional: bióloga, cientista, bailarina, blogueira, escritora, bruxa, pesquisadora,...Ufa!  Ser surda ou ter se tornado surda aos vinte e tantos anos é mais um detalhe de sua dinâmica e intensa vida.
Bem, gente, a Nuccia se apresentou e se autodefeniu brilhantemente no livro e eu, além de sua apresentação também tenho outras impressões e sentimentos sobre ela. Sinceramente falando, esse texto não é para endeusar a autora, até porque destoo de alguns pontos de vista e, digamos, preferências que ela nos descreveu no livro, como amar cobras e sapos, ser bruxa de coração e ser praticante de uma religião politeísta, no seu caso, o paganismo.
Quando a conheci pessoalmente, minha empatia e admiração por ela se manifestaram instantaneamente. A Nuccia, sob meu ponto de vista, é claro, não é detentora de uma beleza estonteante, de um corpo escultural, de modos e trejeitos sofisticados. Ela é uma mulher bonita, com um biotipo diferente, mas o que me chamou atenção naquele exato momento, foi a firmeza e o brilho do seu olhar, seu sorriso e alegria contagiantes, sua simpatia e espontaneidade. Em poucos minutos de aproximação, senti que o ser humano Nuccia de Cicco, independente de seus erros e acertos, de suas batalhas ganhas e perdidas, de suas frustrações e expectativas, de suas crenças e gostos extravagantes (sapos e cobras, Nu? Aff!!!), de suas escolhas e rejeições emana e irradia força, garra, coragem e determinação.
Quanto a “Pérolas da Minha Surdez”, é uma autobiografia que narra com sutileza, humor, sensibilidade e objetividade a história da vida da autora que utiliza-se, na medida certa, de flashbacks que remetem a memórias de sua infância e adolescência, permitindo que o leitor tome conhecimento de seus planos e expectativas, das pessoas que tiveram importância relevante em sua vida, de seus mais importantes relacionamentos amorosos e de outros problemas de saúde que ela enfrentou antes de ser diagnosticada como portadora de Neurofibromatose.
Nuccia foi muito generosa com o conteúdo de seu livro, porque por mais que eu a classifique como exemplo de superação e aceitação sei que ela deve e tem que se superar constantemente e que o que chamamos de aceitação é, na verdade, uma intensa e incansável luta em busca de soluções e/ou adaptações que permitam-lhe conviver da forma mais próxima possível do mundo projetado para os “normais”. É certo que nada foi, é ou será fácil, que ela deve ter passado (ou passe, ainda) por momentos terríveis de questionamentos, inconformidade e desânimo, o que é perfeitamente normal e compreensível, mas, em momento algum de sua narração, ela conduz o leitor por estes caminhos dolorosos e tortuosos, deixando-o desalentado, esmorecido ou deprimido. Em determinadas cenas, ela até faz algumas alusões aos seus momentos “down”, mas o que prevalece mesmo em sua narrativa é a opção que ela fez para sua vida:
“... escolhi continuar vivendo bem com o que me restou ao invés de parar a vida por causa daquilo que perdi.”.

 Escolha inteligente, mas difícil e fatigante, porém, se fosse uma escolha fácil e cômoda não seria a escolha da Nuccia, certo?
Logo no começo do livro, mais precisamente no capítulo de agradecimentos, me vi lendo, relendo e refletindo sobre o agradecimento que a autora faz, justamente, aos seus leitores. Confiram:
 “A você, tão importante quanto todos. Sem você, leitor, seriam muitas palavras jogadas ao vento, a história de uma vida em vão.”
 Realmente, Nuccia, não é justo palavras tão expressivas e impregnadas de todo tipo de sentimentos serem jogadas ao vento. Não é digno deixar que a história de uma vida tão marcada por lutas por espaço, adequação, superação e aperfeiçoamento tenha sido escrita em vão. Então, Nu querida, desejo, de coração, que cada um que leia essa postagem, adquira o livro e/ou ajude na divulgação, pois, além do fato de o autor precisar ter retorno financeiro pelo investimento na obra, uma história forte, marcante, peculiar e tão significativa não pode ter sido escrita em vão, mas, sim, para ser conhecida e guardada na mente e no coração de muitas, muitas, muitas pessoas.
Você pode adquirir o ebook no site da Amazon   , 
Ou...
Saiba como adquirir o livro físico entrando em contato com a autora.

Contatos nas Redes:



Eu conheço uma Fênix!


Nuccia (Fênix) de Cicco, sinto-me imensamente honrada e gratificada por tê-la conhecido!
Querido leitor, ficarei feliz com seu comentário. Comente sem moderação.
Beijos e até a próxima.
 



Créditos:
Texto: Vanda Costa
Diagramação: Vanda Costa
Fotos: Tiradas (roubadas) do perfil do Facebook da autora (hahaha...)
Imagens: Tiradas da Internet

10 comentários:

  1. Oi, Vanda, tudo bem?
    Bom eu conheci a Nu através da seleção para resenhista do blog As 1001 Nuccias, onde fui selecionada (sim, ela é minha chefinha rsrs), depois tive o prazer de conhecê-la pessoalmente na Bienal do ano passado, aqui em Sampa.
    Li o Pérolas da minha surdez e tenho a mesma opinião que você, não dá pra falar de um sem citar o outro. Pra mim a Nu é exemplo de garra e determinação, não pelo fato de ser surda, mas pelo fato de perseguir o que ela quer, independente de ser difícil ou não. E me sinto honrada em ter ela em meu círculo de amizades.
    Beijokas e parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lucy.
      Realmente a Nuccia é tudibom!
      Obrigada pela visita e pelo comentário.
      Volte sempre.
      Bj.

      Excluir
  2. Oii Vandinha, que post lacrador!!!
    Quem conhece essa pessoinha chamada Nu, não sabe onde ta se metendo pq é certo que será marcado eternamente com toda sua graça, força e sua personalidade de vencedora.
    Tenho muito orgulho de poder dizer com boca cheia, ela é minha amiga!!!
    Beijos e quem não leu pérolas não sabe o que está perdendo S2

    Giu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, Giu.
      Se eu pudesse compraria 4 edições de "Pérolas da minha Surdez" e distribuiria para os nossos leitores para eles conhecerem essa pessoinha linda que é a Nu.
      Bjão.

      Excluir
  3. “... escolhi continuar vivendo bem com o que me restou ao invés de parar a vida por causa daquilo que perdi.”.
    Gente que poste, que texto, que autora, que mulher, que NUCCIA!!!! :)
    Eu já li o livro da Nu a algum tempinho, e desde então nenhum do gênero me agradou tanto. Eita mulher incrível, eita profissional FODONA!!!! desejo todo o sucesso do mundo pra você Nuccia, que mais pessoas possam ler e conhecer a FÊNIX maravilhosa que você é. Sucesso!!!
    Beijos de luz a todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que eu não possa escrever seu nome aqui para agradecer pelo comentário.
      De qualquer maneira, Anônimo, fico feliz por você que já leu o livro compartilhar comigo o desejo de que essa autêntica e instigante história chegue a muitos e muitos corações.
      Obrigada pela visita e comentário.

      Excluir
  4. Gente! Que postagem amorzinho <3 Concordo com a Vanda, a Nu realmente merece esse espaço no blog pela pessoa incrível que é, senti isso apenas em 1 encontro! Amei conhecê-la, divertida, tão receptiva, me senti muito bem entre vocês e agradeço à Giuliana pela oportunidade de ter conhecido pessoas tão lindas como vocês.
    Estamos juntas sempre! Podem contar comigo para o que precisarem! Amo vocês <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Kate.
      Vocês moram no meu coração.
      Beijão.

      Excluir
  5. Eu comecei a escrever e apaguei tudo umas 4x. Não porque eu não soubesse o que queria dizer, eu sei! Mas como dizer, a forma de tranformar os sentimentos que me afloram em palavras... parece pouco, mesquinho... Porque esse texto ficou lindo de uma forma espetacular!!! A beleza da espontaneidade, da amizade sem exigir nada em troca, do carinho, a beleza de ser que a Vandinha mostrou em cada palavra sua sobre mim, para mim... Isso não se mede, não se nomeia. Então só posso aceitar e aplaudir de pé, ovacionando mesmo!! E agradecer, claro! Muito, muito, muito mesmo!!! Obrigada do fundo do coração, Vanda e que sua fênix brilhe e queime todos os dias!!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nuccia, nesse texto eu queria que você soubesse que conhecer você, me fez bem e renovou minha fé na vida e nas pessoas. Queria também que muitas e muitas pessoas tivessem acesso a sua história e, assim como eu, independente dos acontecimentos inesperados e/ou indesejados e das rasteiras que levamos da vida, soubessem que é possível se reinventar, renascer a cada dia, pois tudo realmente depende do que escolhemos ou rejeitamos na vida. Quando eu crescer, quero ser como você.
      Beijos no ♥

      Excluir


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.