[Bienal Open Book 2015] Entrevista Fê Friederick Jhones


FÊ FRIEDERICK JHONES

ENTREVISTA

1 - Como você encara a crítica ao seu trabalho?

Como parte do processo. Acredito que nenhum autor nunca vai agradar a 100% dos leitores. Eu sou leitora e vejo isso pelos dois lados. Existem livros famosos que eu não gosto e por aí vai, então eu quero poder sempre melhorar, mas ainda mantendo a consciência de que nunca será bom para todos.
A crítica é válida quando feita de forma construtiva, eu ouço ou leio, analiso e se faz sentido, ótimo, se não, sigo em frente. Eu só não quero paralisar por causa disso.



2 - Como você avalia o mercado literário no Brasil?
Eu sou nova nisso, mas vejo de maneira otimista. Tenho amigos escritores e sempre que conversamos percebo como o público tem se tornado mais receptivo e até buscando conhecer os autores nacionais. É difícil para novos autores conquistar espaço, mas quando o trabalho é bem feito, uma hora você encontra pessoas que gostem do que você escreve. Acredito que o caminho é longo e persistir é fundamental.
3 - Toda história tem um processo de construção. Como esse processo acontece com você?
É diferente para cada livro que escrevo. Os primeiros eu escrevia sem planejar muito, deixei por conta da tal inspiração. Mas quando percebi que queria levar a escrita como uma carreira, vi que tinha de me organizar. Hoje em dia a primeira coisa que faço é a sinopse e dar um título (ainda que mude depois), mas essas duas coisas são meu norte, me fazem ir em direção ao que eu quero para aquela história. Depois disso, pode parecer engraçado, mas eu escolho ao menos 2 músicas. Gosto de escrever ouvindo música, me ajuda a pensar. Depois faço a programação de quantos capítulos quero e quantas páginas por capítulo. Assim eu começo. Ultimamente tenho feito ficha técnica dos personagens.
Acredito que é um processo que sempre muda, você vai descobrindo o que te ajuda e o que te atrapalha e vai mudando ao longo do tempo. E também acho que cada livro pede um processo diferente.
4 - Você promove seu(s) trabalho(s) através das redes sociais. Como você avalia a importância das redes sociais na promoção de seu(s) trabalho(s)?
Acho que nós, escritores contemporâneos, precisamos muito mesmo das redes sociais. É uma necessidade para alcançar novos públicos, conhecer novos leitores e trocar experiências com escritores do país todo. Uso e muito. Facebook, instagram, twitter, enfim, tudo que me ajuda a mostrar meu trabalho para o mundo.
As redes sociais nos ajudam a estar em vários lugares ao mesmo tempo e isso é fundamental. Já conquistei muitos leitores dessa forma. Não podemos parar.
5 - O que você sentiu quando teve sua primeira obra publicada?
Sensação de sonho realizado. Escrever um livro já é maravilhoso, alguém gostar dele é incrível, mas a possibilidade dele ir para qualquer lugar do mundo, para a estante de pessoas que você nunca viu, é algo que não dá pra explicar.
6 - Só autores consagrados conseguem sobreviver exclusivamente da literatura. Como você faz para se manter e arranjar tempo para se dedicar à literatura?
Meu sonho é chegar no dia em que apenas meus livros irão me sustentar! Rsrsrs, mas ainda não é o caso. Eu sou psicóloga e atendo numa clínica em 4 dias da semana. Então uso o tempo livre para escrever, planejar os livros e por aí vai. Não é fácil, tem horas que falta energia, já que não tenho apenas o trabalho, mas a casa, marido e etc... Mas a paixão que envolve escrever, é mais forte do que qualquer dificuldade, então força na peruca e lá vamos nós!
7 - Quando e como se deu seu primeiro contato com a literatura?
Difícil de dizer, é uma história tão antiga que nem sei. Mas acho que meu primeiro livro foi uma Bíblia Ilustrada para crianças, foi o primeiro que li completo, tenho ela até hoje e acho que usarei o mesmo método com meus filhos. Quero ter em casa pequenos viciados em literatura. Sempre tive livros ao meu alcance, ganhava livros de presente, minha mãe lia para mim, meu pai sempre estava com livros na mão e minha avó paterna sempre escrevia. Então acho que eu estava rodeada de literatura todo tempo. Fico feliz que tenha sido assim.
8- Qual é a emoção de participar de uma Bienal?
ANSIEDADE + ANSIEDADE + ANSIEDADE! Rsrsrs, sonho com isso quase todas as noites e acho que só vou entender realmente quando estiver lá. Que chegue logo setembro!!!
9 - Atualmente, os autores se utilizam de leitores betas. Como você avalia a importância desses leitores no desenvolvimento da obra?
Minhas betas são companheiras de viagem. Elas me ajudam, elas me incentivam e elas me enlouquecem quando faço algo que elas não esperavam. Eu só posso realmente agradecer. Acho que isso ajuda no processo porque são leitores que enxergam o que você não consegue por estar tão imersa no projeto. Acho fundamental!
10 - Qual foi o último livro que você leu?
Noites Italianas, é um livro autobiográfico, bem escrito, mas com uma história que não me agradou muito.
11 - Qual a importância dos blogs na divulgação de suas obras?
Gente, o que dizer de pessoas que usam seu tempo para te ajudar? A literatura me deu lindos presentes e muitos deles são blogueiras. É fundamental, as parcerias e divulgações são fundamentais para alcançar novos públicos. Tem muitos leitores que depois de verem uma postagem num blog, acabam conhecendo meu trabalho e me procurando depois. Então os blogs são parceiros incríveis que eu quero sempre cultivar.
12 - Muitos blogs e leitores se utilizam de resenhas para comentarem sobre livros. Eu, particularmente, acho uma temeridade, pois tenho lido cada resenha amadora, sem critério e qualidade, que influem negativamente na opinião dos demais leitores. Como você avalia esse método utilizado para divulgação de seus trabalhos?
Resenhas são importantes por dois motivos: para que nós saibamos em que erramos e em que acertamos, a crítica construtiva. E para divulgação, para que leitores saibam os pontos fortes do seu livro e se interessem. Como leitora eu leio resenhas e isso já me incentivou a comprar livros. Então acredito que isso acontecem quando leem resenhas do meu livro. Adoro, leio, divulgo e acredito que seja uma ferramenta bem importante.
13 – Fale um pouco do seu livro Ímã de Traste que estará na Bienal do Rio.
Ímã de Traste é um chick-lit que conta a história de Valerie, uma mulher moderna, com um desafio profissional e uma vida amorosa desastrosa. Depois de receber um fora do último namorado, ela descobre que os amigos lhe deram o apelido de “ímã de traste”, ela fica chateada, mas também a faz pensar. Uma jornada de reflexões, com tubarões e biquínis de lacinho começa! Ímã é um livro divertido e leve, sobre uma mulher como tantas outras que precisa repensar suas escolhas. Fala sobre amor, amizade e esperança, como algumas promessas podem ser cumpridas e o amor por si mesma tem de ser forte o suficiente para te fazer seguir em frente.

Contato nas Redes Sociais com a Autora:

FACEBOOK -  WATTPAD -  TWITTER - SKOOB -  SITE TDL -  COMPRE AQUI  


Não deixem de conferir todas as postagens!
Acompanhem tudo pelo evento! Não percam nadinha!!
Beijos e até mais!


Conheçam os blogs integrantes do GBU:



*Créditos Entrevista: Vanda Costa*

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.