Postagem em destaque

[Promoção Mães Leitoras] com Rô Mierling e blogs parceiros (serão 7 ganhadores!)

Olá queridos leitores! Em comemoração ao Dias das Mães , a escritora Rô Mierling e blogs parceiros se reuniram para presentea...

[Resenha] Restos de Nós - Autora Bia Onofre


Olá clubenautas, hoje viemos trazer mais uma resenha nacional.
Da autora querida e super fofa Bia Onofre, nossa mais nova parceira! 
O Livro é "Restos de Nós" que foi lançado ano passado pela editora Chiado.
Venha ver o que nossa linda clubenete Amanda Bonatti achou dessa obra...
Let´s go!


Restos de Nós
Autora Bia Onofre
Editora Chiado
Coleção: Viagens na ficção
1 edição: Janeiro 2015

Sinopse da Obra: Sobre a mesa do escritório, o laptop dela abandonado. Aproximou-se, o desassossego aumentou. Veio a tentação de vasculhar os arquivos e penetrar no mundo da esposa, nas anotações que ele desconhecia. Não era do seu feitio, mas por que não? Ela nunca saberia. O dilema moral durou pouco. Usando a mão do médico que alcançava um porta-retrato, o destino esbarrou no teclado e as estrelas da tela de proteção pararam de piscar. Um texto desconhecido, porém familiar, surgiu diante de Rodrigo. Mais de sessenta páginas datadas. Ficou surpreso. Não imaginava que Mariana mantivesse tais registros.



Restos de Nós


Este livro é dedicado a todos aqueles que vivem de uma forma ou de outra, na escravidão.
***

Resenha

Escravidão!!
Reflita um momento sobre esta palavra antes de ler esta resenha...
O que veio a sua mente?

Nesta obra temos uma dimensão muito maior do que é ser escravo, do que é sentir - se em um cativeiro opressor e agoniante.
Nem só de correntes e grades é feito uma prisão. Não é só o açoite de um chicote nas mãos de um malfeitor que pode doer e causar cicatrizes...
Imagine estar preso dentro das suas próprias angustias, ter sonhos, desejos, opinião, e ser de sufocada, precisar matar tudo isso, até se tornar um cemitério de você mesma..

Você morre um pouco a cada dia quando tem voz mas não é ouvida, quando precisa de amor e não o recebe, quando idealiza algo e nada acontece. Morre um pouco cada dia quando precisa de um Abraço e recebe o desdém, quando o ignoram, a deixando à mercê do abandono.
Restos de nós é uma obra que reflete várias questões do universo feminino, Como a opressão sobre a mulher, adultério, casamento, maternidade...
Podemos vislumbrar a vida de duas mulheres e acompanhar o seus dramas através dos seus próprios registros, de diários escritos e datados.
Vamos conhecer seus universos feminino? 

A primeira mulher é Maria Clara, rejeitada pelo pai, foi entregue ao casamento por conveniência a um homem que a menosprezava de todas as formas. Encontrou fora do casamento o verdadeiro amor e no seu diário datado em 1855 uma forma de gritar tudo aquilo que a sufocava, que precisava ser dito e que ninguém se dispunha a ouvir!! Qual seria o seu destino?
"Não esperava uma dedicatória. De fato, muito pouco sabia sobre os diários das mulheres do século XIX. Que mistérios e surpresas me aguardariam? Reli as palavras sem me dar conta de que eram, na verdade, uma tentativa de despertar Maria Clara para uma vida nova e evitar o futuro trágico a que fora predestinada. Teria ela compreendido o alerta ou teria visto apenas as estrelas pequenas sem perceber que formavam o cinturão de um imenso caçador?"
A outra mulher, Mariana, com autoestima destruída, vivendo em um casamento fracassado e com vários dilemas para serem lidados. Encontrou no seu diário no "Laptop" uma terapia... 


"um resgate de memórias desmaiadas, um pouco do filho que não vou deixar para o mundo" pg 103. 
Qual seria o seu destino? Terminei a obra com vários questionamentos, inquietações!
Acredito que ambas personagens só desejavam a liberdade, descobrirem - se, viver e amar..
Seria este o destino das Mulheres? Deveria!


E você? Qual o seu destino?


Beijos e até a próxima resenha!
Não esqueçam de deixar sua opinião!

59 comentários:

  1. Definitivamente não é fácil sentir-se e viver como um escravo, mas de uma forma ou de outra, temos que tentar vencer as amarras e seguir adiante. Obrigada pela resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Bia, imagino quantas mulheres que sentem essa necessidade de gritar, expor seus sentimentos e sao caladas, seja por medo ou por descaso...
      Amei seu livro ele me fez refletir muito sobre várias questões..
      Beijos grande

      Excluir
  2. Simplesmente não consegui parar de ler. Um livro instigante mostrando com muita sensibilidade o que é a alma feminina e como repetimos alguns comportamentos.
    Carla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom poder parar e pensar nesses comportamentos, não é mesmo? Sabe que às vezes sinto saudades de Mariana e Maria Clara e releio o livro?

      Excluir
    2. Eu também amei o livro Carla ��

      Excluir
  3. Imperdível! Leitura deliciosa, daquelas que não dá pra parar! Excelente visão do universo feminino! Ansiosa pelos próximos títulos da autora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Adriana, tomara que eu tenha força e fôlego para outros livros. Confesso que não é nada fácil. Beijocas!

      Excluir
    2. Também virei fã da autora ☺
      Amanda Bonatti

      Excluir
  4. Poxa que interessante esse livro, e parabéns pela resenha. Confesso que a princípio pense que se tratava de um enredo de época, retratando a escravidão na visão de um escravo.e, confesso que me surpreendi.
    Vou procurar para comprar.
    Muito obrigada pela dica.
    Beijos
    Ju
    http://nossaestantenacional.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Juliana, o livro tem dois momentos e nas passagens de Maria Clara descrevo sim sua época (aliás, pesquisei muito para fazê-lo, pois apesar de ser ficção eu não podia dar nenhum fora, né?). A escravidão permeia ambas as histórias que, apesar de tristes, são lindas. Espero que leia e goste. Beijos!

      Excluir
    2. Ju a obra é realmente surpreendente, da aquela sensação de "eu preciso falar", "eu não posso me calar", dá força e coragem, com certeza

      Excluir
  5. Que bacana a autora apresentar um pouco sobre os relacionamentos abusivos… Você não mencionou isso, mas tive a impressão de que se trata de um enredo que aborda um pouco como há mulheres infelizes em seus casamentos. Gostei muito da proposta e gostei de a escrita envolver diários. Acho isso tão pessoal. Anotei a dica, flor.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Francine, vc acertou. Mariana está infeliz no seu casamento e luta contra essa "escravidão" imposta pela sociedade e por ela própria. O livro é fascinante. Não é leve ou fácil, mas deixa saudades...

      Excluir
  6. Oi, tudo bem?
    Eu ouvi falar muito bem desse livro já. Me parece, agora com sua resenha, o quão profundo ele deve ser.
    Eu adoro livros que abordam a escrivão, e claro quero muito ler ele. Parece ser bem forte. Linda resenha.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Leticia, é um livro realmente forte e profundo, não sei se todo mundo está preparado para ele, mas é poético e lindo! Tomara que vc goste.

      Excluir
  7. Amdanda, tenho pensado muito sobre isso ultimamente, não só na questão toda da batalha do feminismo, mas de uma forma geral. De como somos obrigados a decidir nosso destino com 17 ou 18 anos como se fosse uma coisa inalterável, o que não é. Eu sempre quis seguir carreira na área de desenho, mas fui vetada pelo meu pai que, com toda razão, argumentou que no Brasil eu ia morrer de fome. É verdade que o mercado aqui é bem pequeno, mas ainda, sim, é possível e se eu tivesse tido essa informação quando prestei vestibular com certeza eu não teria deixado meu sonho de lado. Isso me consumumiu de tal forma que eu me tornei uma pessoa frustrada profissionalmente, porque o que eu fazia não era o que eu queria e muito menos o que eu gostava. E agora, com 26 anos na cara, estou tentando correr atrás do que me foi tirado por uma simples dedução de que não seria possível (quando é possível sim, não é fácil. Mas possível é).
    E quando a gente colocar essa frustração no universo feminino a coisa só aumenta de tamanho, porque a sociedade acha que todas as mulheres têm que ser carentes, não podem almejar ter uma vida sozinha, focada na carreira. Nós, desde pequenas, somos condicionadas a pensar que TEMOS que casar que TEMOS que ter filhos para ser feliz. E não é bem assim.
    Gostei muito da temática do livro e com certeza vou ler (só a capa que não em agradou em nada, mas a gente perdoa).

    Beijão!
    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Babi, vc é jovem. Corra atrás dos seus sonhos! Não deixe para depois... Sim, Mariana vai mexer com vc. Ela não é nada fácil, mas no fundo no fundo, todas nós somos ou conhecemos alguma Mariana por aí e por isso que, por vezes, ela "pesa". Beijos e depois me conta o que achou do livro. BOA SORTE com seu sonho. Que seja de muita luz e brilho!!!

      Excluir
    2. Babi, com certeza você vai gostar do livro, vai se identificar e ficar com aquela vontade louca de gritar "SIM EU POSSO"! E vc pode mesmo! Beijo e sucesso

      Excluir
  8. Oie! Não conhecia a autora nem sua obra até o momento e me arrependo por isso. Realmente parece ser uma leitura incrível, tocante, e o início da sua resenha me deu a certeza disso. Uma das piores prisões deve ser a da alma, onde você é escrava dos próprios pensamentos e nada pode fazer. Adorei a forma como a autora tomou esses assuntos em sua obra e fiquei ansiosa para realizar a leitura. Gosto de obras impactantes, que sempre têm algum ensinamento a passar, não importa quem esteja lendo. Sua resenha está encantadora e gostei bastante das imagens que colocou para representar a história do livro. Com certeza já anotei aqui para ler futuramente ♥

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart,
    Império Imaginário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, vc expressou muito bem o que vive Mariana: está presa em sua alma. Já Maria Clara tem uma história que condiz com seu tempo. Ambas são escravas sim e ambas sofrem por isso. Leia o livro. Vc vai gostar!

      Excluir
    2. Falou tudo Fernanda!! Eu também gosto de obras que acrescentam, ensinam, nos fazem refletir. Por isso gostei mtiro do livro da Bia, Vc vai gostar também ☺

      Excluir
  9. Olha eu nunca ouvi falar desse livro, mas gostei bastante de tudo que você abordou
    e sinceramente me deixou bastante interessada. Acho que eu leria pra poder conhecer, porque
    me parece ser uma estória envolvente e também como disse minha amiga de cima tocante.
    Espero poder conhecer assim que puder, porque com tantas leituras que tenho menina eu acabo esquecendo até dos meus desejados. Mas mesmo assim vou colocar ele na listinha. Pode ter certeza, porque ele vou querer conhecer.

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/01/resenha-estrelas-cadentes-nao-dizem.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Silvana, vale a pena vc encaixar "Restos de Nós" na sua lista sim. Não me canso de relê-lo. Mesmo eu como autora ainda aprendo com ele. Dá para entender isso? Beijo grande e aguardo seus comentários sobre o livro!

      Excluir
  10. Olá!
    Nunca tinha ouvido falar sobre a obra, mas me interessei bastante.
    O fato de tratar assunto como escravidão, a nossa própria escravidão, aquela que muitas vezes vivemos e nem nos damos conta ou percebemos e não sabemos como mudar, deve fazer refletir muito. A forma como a obra parece ser escrita parece emocionante e intensa.
    Com certeza quero ler!
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Aline, quem lê o que vc escreveu pensa até que vc já leu o livro ri ri ri ri ri É tudo isso que vc falou e tem mais. Leia sim. Vc vai gostar! Depois me escreve e diga o que achou, tá? Beijocas.

      Excluir
  11. Olá
    Eu desconhecia a obra,assim como a maioria dos títulos da Chiado. Lendo a sua resenha vejo que a autora escreveu de forma sucinta que ti faz refletir bastante sobre esse tema que parauivos já acabou faz tempo, o que é uma mentira muito grande. Vou anotar a sua dica
    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manoel, não acabou mesmo. De uma forma ou de outra, ele está presente em todas as sociedades e o livro dá uma pincelada no assunto. Sugiro que vc leia a resenha do blog homoliteratus. Foi escrita por um homem e gostei muito do que ele disse. Beijo grande!

      Excluir
  12. Oiie,

    Escravidão é uma palavra forte, e para falar sobre tal é bem complicado. Acho legal quando autores abordam esse tipo de tema, pois querendo ou não é tão comum, não ficou mais no passado, pois existe escravidão de qualquer forma. Gostei da estória e vou solicitar a Chiado essa obra.

    Bjs


    Amantes da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Estefânia, me passe uma mensagem e conversamos sobre o livro e a Chiado, tá?

      Excluir
  13. Eu ainda não conhecia a obra, e pela sua resenha não consegui ter uma ideia geral da leitura, mas pela trama, e o tema escravidão, deve ser uma leitura emocionante e sensível. Fiquei com vontade de ler a obra. Se tiver oportunidade não vou pensar duas vezes!
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dessa, o livro é realmente emocionante e sensível e trabalhei bastante a língua caprichando em metáforas e na poesia. São dois diários bem diferentes, mas ao mesmo tempo com muito em comum.Vc vai gostar de lê-lo! Beijocas!

      Excluir
  14. Achei a sinopse bem confusa, mas a sua resenha me ganhou. Imaginei toda esta escravidão e prisão e embora nem sequer mem imagine em tal situação, quero ler o livro para tentar me colocar no lugar dos personagens. Quero ler o mais rapido possivel.
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ivi, muito interessante seu comentário de que não se imaginou em tal situação. Talvez vc se surpreenda... Vários leitores me contaram isso. Gostaria de saber o que achou depois da leitura! Beijos.

      Excluir
  15. Olá!

    Não conhecia essa obra, mas gostei bastante da premissa e de como se expressou sobre escravidão. Imagino como deve ser difícil você ter que conviver fazendo algo que não quer. Isso dá margem a muitos debates. Me interessei bastante da obra e acho que vou solicita-la no próximo mês.

    Beijos,
    http://entreoculoselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thayenne, tanto Maria Clara como Mariana demonstram essa dificuldade o tempo todo. A primeira dentro de um contexto do século XIX e a segunda relatando que todas nós, mulheres atuais, conhecemos ou entendemos de alguma maneira... Realmente deveríamos debater essa realidade com mais frequência. Abraços!

      Excluir
  16. Oie!
    Eu também tenho esse pensamento de que a escravidão não é apenas física, de um ser humano para outro. Mas vejo a escravidão em velhos conceitos, velhas manias, em ficar escravo da solidão ou do passado. Só posso dizer que se um livro pode trazer tanta reflexão, fico a imaginar tudo o que eu vou sentir quando começar a leitura. Uma ótima indicação.
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Carla, o livro vai mexer com você, eu acho que ele é provocativo ao ponto de nos tirar da zona de conforto, levantar e enfrentar tudo o que vier! Mulher é forte!!Esse livro me deu força também

      Excluir
    2. Concordo com vc Carla. A escravidão não é apenas física. Existem muitos outros tipos de "prisão" e isso é o que principalmente Mariana (a personagem de 2005) mostra o tempo todo. Espero que goste da leitura. Depois me conte o que achou, tá?

      Excluir
  17. Ooi,
    Não conhecia o livro mas fiquei muito interessada na premissa. Precisamos de mais livros como esse, que provoquem inquietação e nos façam dar um passo a frente e enfrentar as dificuldades que uma mulher sofre na sociedade atual.
    Corujas de Biblioteca

    ResponderExcluir
  18. Oi Vitória, vc tem toda razão. Não é à toa que a primeira narradora do romance (a regente)tem o seu nome: Victória. Ele foi escolhido cuidadosamente para deixar essa mensagem clara. Apesar de TANTOS pesares, há esperança!

    ResponderExcluir
  19. Olá,
    Fiquei confusa, acho que precisou dizer que são duas mulheres em tempos distintos. Quando falou em "laptop" fiquei tipo "ham? nessa época nem se pensava nisso".
    Bom, escravidão podem ser atribuídos outros significados além do que estamos acostumados. Me contentei com a história até a parte de Maria Clara onde ela teve problemas com o pai e entendo como era a situação das mulheres na época. Mas na parte de Mariana é algo que me recuso a acreditar, somos independentes e ela que se subordinou ao casamento existe divórcio e, hoje em dia, fica com uma pessoa que não ama porque quer. Não leria a obra pois está vitimizando de mais as mulheres e somos muito mais que isso, por que não colocar o sexo oposto ou os dois? Realmente, não vejo porque ler essa obra.

    Karine || Ainda Me Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karine, são duas narrativas distintas: o diário de 1855 e o diário de 2005. A parte do laptop introduz Mariana - 2005. Entendo seu ponto. Sim, as mulheres são "livres" para se divorciar e lutar contra a vitimização, mas infelizmente não é assim o tempo todo (e nem em todas as famílias ou culturas). Além disso, a Mariana pode até começar "chata"e "coitadinha", mas ela cresce no decorrer do romance e... bem, não vou dizer o que acontece no final. De qualquer forma, a trama do livro envolve diversos pontos, muitos deles extremamente profundos, e acredito que não seja um livro para todo mundo. Pode ser pesado e causar inquietação e nem todos gostam ou buscam isso, não é mesmo?! Um abraço!

      Excluir
  20. Que livro incrível! Que premissa sensacional! Esse tipo de livro que faz a gente refletir devia ser lido por todas as pessoas! Acredito que muitas pessoas vivam presas em algum tipo de escravidão e não sabem como se libertar! Esse tipo de leitura sempre dá esperanças para quem vive assim!
    Muito bom! Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que não vai faltar é reflexão. Mariana nos coloca frente a frente com diversas problemáticas da mulher "moderna". Beijocas!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  21. Nossa, que livro interessante. Adorei o plot dele, mas parece ser meio pesado. Tratar de assuntos assim, além de alguma pesquisa deve ser algo que mexe demais com quem escreve, pelo menos comigo seria assim. Mas gostei bastante e fiquei curiosa com leitura. Mas mesmo tendo tido interesse em ler, não sei se o faria. O tema é interessante, mas pesado. Então eu precisaria estar num momento bem suave pra ler e digerir. Mas a dia é interessante.

    ;D
    Profissão: Leitora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc tem razão: não é um livro leve. Mas apesar de passagens pesadas, a leitura poética e os questionamentos fazem a leitura bem agradável se vc entrar no mundo dos diários (o que acredito deve ser feito sem muita interrupção). Talvez vc se surpreenda. Abraços!

      Excluir
  22. me arrependi de não ter solicitado, pois não tinha visto resenha dele até então e mesmo a sinopse não me empolgou a principio...
    tentarei escolher esse livro em outra oportunidade... adorei a capa dele também...
    fiquei imaginando como essas mulheres desabafavam em seus diários'...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Maria Valéria, me passe um e-mail ou post no FB e podemos pedir um livro para Chiado juntas. Acho que vc vai gostar. Beijos!

      Excluir
  23. Oii, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia o livro, e a sua resenha foi uma bela surpresa!Eu confesso que não sou muito de ler livros desse gênero, mas a premissa é bem interessante, e a leitura parece ser comovente e emocionante. Espero ter a oportunidade de o ler.

    ResponderExcluir
  24. Oi, Meninas!
    Amanda, com sua delicadeza poética, nos fazendo refletir novamente... Estou lendo o livro da Bia e posso garantir que é uma leitura muito boa, com vários questionamentos profundos. Você para pra refletir quantas vezes esteve na mesma posição e quantas outras você viu alguém que estava e não fez nada. Quase ao final do livro, uma frase escrita lá no comecinho é a que ficou grudada na minha cabeça: "O pecado está nos olhos de quem te julga e não nos olhos de quem busca o amor". Somente após muitas páginas de diários depois é que somos capazes de compreender o real significado dessa frase. Vou terminar de ler o livro correndo! Sucesso pra todas!
    Até + ver! Nu.
    As 1001 Nuccias | Curtiu?

    ResponderExcluir
  25. Oi Amanda, sua linda, tudo bem
    Concordo com o que disse, existem várias formas de escravidão e às vezes nós mesmos podemos ser nossos algozes. As mulheres do passado sofreram muito, não tinham voz na sociedade e eram obrigadas a casar sem amor. Tenho certeza, depois da sua resenha, que a autora irá mexer comigo e me fará no mínimo refletir sobre a escravidão das personagens. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  26. Oiiiii!

    Parabéns pela ótima resenha, Amandinha!
    Estou super curiosa sobre esse livro, em especial sobre o seu final... Logo verei mais um pouco sobre ele. XD

    Beijooooo!

    ResponderExcluir
  27. Olá, desconhecia a obra e pela sinopse não parece um livro tão denso quanto você mencionou na resenha, acho necessárias obras que contenham algum tipo de escravidão pois serve de uma obra para alertar sobre essa realidade. Com certeza ficarei de olho nessa obra.

    Beijos
    Giovana, blog dei um jeito

    ResponderExcluir
  28. Oi Amanda!
    Nossa que obra linda e ao mesmo tempo tão intensa!
    Achei incrível a temática que a autora usou no livro, de opressão das mulheres, fico imaginando quantas estão em casamentos tristes, que não recebem um bom dia que seja, não tem amigas para dividir seus sonhos, e estão realmente em uma prisão por ter todas as suas vontades negadas.
    Com certeza é uma obra obrigatória para todos, principalmente nessa época onde o tema é tão discutido.

    www.gordinhaassumida.com.br

    ResponderExcluir
  29. Oi Amanda,
    Não conhecia o livro, mas parece ser uma leitura intensa.
    Uma história com muito aprendizado. Fiquei imaginando quantas pessoas vivem como escravas, por comodismo e deixando de ser feliz.
    Parabéns pela resenha.
    beijos
    Conchego das Letras

    ResponderExcluir
  30. Oi, tudo bem?!

    Essa resenha realmente me fez pensar sobre o tema Escravidão. Não esperava por isso! Imagino que seja uma obra super intensa e reflexiva. Geralmente não daria uma chance a esse tipo de livro, mas esse me cativou. Quero muito ler!

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  31. Nossa! O.O Não imaginava que o tema desse livro era esse, já havia lido o título dele em algum lugar, mas nunca passou pela minha cabeça que a história era tão difícil, e pelo o que pude perceber a autora realmente consegue nós fazer refletir sobre a escravidão, você conseguiu.

    Beijos e até daqui a pouco!
    https://worldofmakebelieveblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  32. Ola.
    Tudo bom?
    Não conhecia esse livro, mas apóser sua resenha tenho que concordar que nós mulheres e algumas que conheço passam por um certo tipo de escravidão, principalmente quando a mulher não pode trabalhar e o marido a humilha poos sabe que ela sabe que ela não ira abandona-lo por causa disso.
    Muito irei refletir sobre esse tema.
    Beijos

    ResponderExcluir


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.