[Resenha] Óleo de Prímula - Luciana Canuto

Olá, queridos leitores!
Hoje é o dia de apresentarmos a resenha do livro “Óleo de Prímula”, da nossa autora parceira, Luciana Canuto.
“Óleo de Prímula” descreve de uma maneira muito particular a reviravolta na vida de Andrezza Nicolazzi, 40 anos, separada e mãe de um rapaz, Thomas, que resolveu ampliar seus horizontes profissionais em Nova York.
Vamos entrar no clima deste tumultuado e tórrido romance?
SINOPSE
Prímula é a primeira flor que nasce na primavera, portanto, antecipa a chegada da estação mais bonita do ano. Desta planta é possível extrair um óleo riquíssimo utilizado para fabricação de essências terapêuticas.
A protagonista do livro, a brasileira Andrezza Nicolazzi, recém-chegada a Nova York para trabalhar, foi comparada à prímula pelo seu namorado, o empresário Antony MacMillian. A moça é linda, possui uma presença marcante e é extremamente independente. Como deixá-la viver com todo o seu esplendor encantando a todos ? O mais fácil seria esmagá-la, consumi-la e moldá-la.
 O desafio deste casal vai ser conseguir encontrar seu equilíbrio. Ela tem, ou acha que tem, pelo menos 10 anos a mais do que seu amante. Acaba de completar 40 anos e está cheia de conflitos em relação ao futuro e também em relação ao seu passado. Por causa de uma série de desencontros, Andrezza não consegue contar ao namorado que já foi casada e tem um filho. Este segredo desencadeará uma série de mentiras e, sem que perceba, a protagonista estará envolvida em uma teia de falsidades, com desdobramentos surpreendentes.
Antony, por sua vez, terá que aprender a lidar com o mar de emoções que é se relacionar com uma mulher mais velha, no auge da sua feminilidade e segurança emocional. Ele também tem fantasmas do passado para resolver e a presença de uma pessoa tão determinada e forte ao seu lado irá torná-lo vulnerável em relação ao sexo oposto - sentimento que não estava disposto a lidar. Apesar de ter no erotismo o apelo de subjugação mais forte em relação à sua companheira, Antony sabe que não tem controle sobre a vida dela.
Estariam os dois duelando por definir a quem caberia o papel de dominação neste relacionamento? Obviamente que sim. Ele vai entrar nesta aventura cheio de amor próprio, mas sem muita vontade de amar alguém. Já ela, o contrário.
Nesta luta velada cada qual vai utilizar sua melhor arma. Antony irá proporcionar para sua companheira uma vida de glamour e um tórrido relacionamento sexual. Logo ela que achava que tinha conseguido domesticar o seu instinto, vai vivê-lo na sua plenitude, encontrando sua sublimação, sua devassidão e satisfazendo seus desejos mais lascivos.
Já Andrezza é um sério oponente. Ela personifica a figura da mulher híbrida da atualidade. Ou seja, uma combinação entre a figura da feminista clássica, aquela surgida nos anos 60, que, para conquistar espaço e independência, teve de ser durona, agressiva e, por vezes, masculina. E a "mulherzinha" dos anos 90, que se enfeita para o seu homem, que cozinha para ele e pode ceder de vem em quando sem que esteja efetivamente perdendo sua força no relacionamento.
Estes dois irão sofrer juntos, separados, brigando, calados, se machucando, ambos vítimas, ambos carrascos, enfim, o turbilhão chegará a um ponto insustentável para insistirem em ficar próximos. Mas, quando isso acontecer, perceberão que não conseguem mais se separar. Eis o dilema. Render-se. Exaurir-se ou simplesmente fugir.


Após seis meses em Nova York, Andrezza, alguns amigos e seu filho vão conhecer a badalada boate Pacha, sonho dos brasileiros que moram em nova York, e lá conhece Antony MacMillian, um executivo bem sucedido, que apesar de não curtir o local, encontra-se na boate numa reunião de negócios para comemoração da assinatura de um novo contrato.  Andrezza está no auge de sua beleza física deixando Antony maravilhado com os predicados de sua beleza. Andrezza, de imediato, percebe que Antony é mais novo do que ela, mas também não consegue resistir a mais bela e imponente figura masculina que já conheceu, e, a partir daí, se inicia um tórrido romance entre eles.
Óleo de Prímula é uma trama com linguagem e cenas extremamente sensuais e eróticas do início ao fim, não significando, entretanto, que seja uma história sem conteúdo. Pelo contrario, a autora, Luciana Canuto, conseguiu introduzir no enredo subtramas que, com o decorrer da história, vão revelando detalhes da personalidade dos personagens, e através das reflexões de Andrezza, induz os leitores a refletirem sobre definições para serem questionadas ou revisadas e tabus para sem quebrados.

Andrezza está na famigerada “Idade da Loba” e normalmente nesta idade a mulher está mais ativa, madura, livre. Todo esse amadurecimento se reflete também na satisfação sexual. De acordo com as definições e concepções populares, aos 40 anos você é nova para fazer o que quiser e velha para se arrepender. Será dessa maneira, mesmo? Eis aí o grande dilema de Andrezza. Aos 40 anos, casada, mãe de um rapaz, e com alguns relacionamentos depois da separação, achava que já conhecia tudo sobre sexo. Essa impressão mudou logo após conhecer Antony, um executivo bem sucedido, que vê em Andrezza uma mulher bem humorada, extremamente sexy, forte, determinada. Ele lhe oferece um mundo de glamour, além de estimular e enaltecer sua perspicácia, sagacidade e talento profissional. Sua admiração por Andrezza é tanta, que chega a compará-la à prímula (primeira flor que nasce na primavera da qual é possível se extrair um óleo riquíssimo utilizado para fabricação de essências terapêuticas). Além de tudo isso, Antony revelou-se um amante espetacular, com forte apelo sexual, que lhe apresentou um sexo diferenciado com formas e práticas que lhe proporcionaram prazer nunca antes experimentado, chegando ao ponto de ela concluir que teria perdido a virgindade exatamente naquele primeiro encontro com Antony. Ele também deixa claro que necessita do controle da relação e consegue envolvê-la de uma maneira arrebatadora. Ela passa então a desfrutar de uma relação extremamente prazerosa, transformando-se numa amante segura, que sabe dar e exigir prazer. Todas essas novas formas de prazer, além do receio de estar sendo usada por ele, de ser traída ou abandonada (situações que normalmente acontecem na adolescência), vão de encontro às muitas convicções e conceitos adquiridos ao longo de sua vida e lhe provocam muita insegurança.
“Aos 40 você começa a ter aquela sensação de que a montanha russa acabou e algumas coisas estão definidas até o final da sua vida terrena...”
“Fica aquela sensação de que eu não tenho idade mais para isso... Eu acho que não tenho mais tempo para me perder de mim mesma.”
“O que posso concluir com isso tudo é que encontrar o maior amor da sua vida em plena idade madura é um presente do destino que só pode ser comemorado se o relacionamento perpetuar.”
“... eu estou sofrendo a dor de amor de uma adolescente, com o agravante de que não sou mais uma adolescente.”


Ficou evidente que desde a primeira transa, Andrezza percebeu que estava sendo introduzida em uma relação de submissão/dominação, que apesar de lhe proporcionar um intenso prazer sexual, lhe deixava perturbada psicologicamente. Nestas e em outras passagens mais “calientes” do casal, percebi que Andressa passa por momentos claros de conflitos entre corpo e mente, nos quais ela repudia totalmente a sua condição de submissão, a necessidade de agradar ao parceiro, a sua total falta de controle, mas que ao mesmo tempo, são exatamente esses momentos que geram e proporcionam intenso prazer ao seu corpo. 
“Ao mesmo tempo que meu desejo vai ficando intenso também vou sentindo nojo da minha falta de controle. E quando atinjo o clímax as lágrimas brotam no meu rosto.”
“... chega ao orgasmo e sente-se feliz no seu plano de submissão e ela sente muita raiva dela mesma, de seu corpo traiçoeiro de ser desarmada por ele quando ele bem entende.”
“Escorrego para fora da cama e vejo que durante o nosso sexo de meretriz a alça da minha camisola se partiu. E estou com um seio à mostra tornando a imagem ainda mais patética e subjugada.”
“Pedi um taxi por um aplicativo de celular e saí daquele apartamento como se estivesse me libertando de uma doença.”
A trama também tem uma dose de suspense em relação a Antony. Em determinadas cenas percebemos um Antony atormentado por algum acontecimento que marcou profundamente sua vida sentimental, e apesar de a autora ter dado alguns sinais, o leitor vai se surpreender com os fantasmas que perseguem Antony, com seu empenho para superar esse trauma e render-se plenamente a um novo amor.
“... Veja o que Antony passou e ainda assim teve coragem de deixar o amor entrar na sua vida. Ele tem mais motivos do que qualquer um para acreditar que as mulheres são uns lixos, umas manipuladoras cretinas...”

Outra cena que merece destaque é o momento no qual Alexandre, ex-marido de Andrezza, sempre mencionado na trama como um fanfarrão imaturo e “sem noção”, ganhou da autora uma cena tocante, irretocável, que mudou completamente minha visão sobre ele.  Ele teve importância vital na tomada de decisão de Andrezza em relação à continuidade ou não de seu relacionamento com Antony , com um diálogo direto, questionador, centrado e maduro.
Bem, caros leitores, minha sugestão é para que vocês não percam a oportunidade de ler Óleo de Prímula, pois o livro vai muito além de um romance erótico. A história é narrada com muita verdade e naturalidade, muitas vezes com diálogos e situações hilárias. Através de Andrezza a autora nos apresenta as principais características e os dilemas peculiares do universo feminino e sob o ponto de vista feminino como trabalho, casamento, maternidade, traições e sexualidade. Tem também suspense, intrigas,  erotismo, mentiras e omissões que geram expectativas no desenrolar da trama, além de permitir que os leitores reflitam sobre tabus e conceitos pré estabelecidos pela sociedade e o direito de se viver plena e intensamente, sem perda de tempo, realizando sonhos e desejos, sem tanta preocupação com a aprovação ou o julgamento alheio.
MÚSICA

Minha avaliação sobre Óleo de Prímula:
Li, gostei e recomendo.
Aproveitem e leiam a obra completa até o final do mês de Outubro AQUI


Assistam o book trailer aqui


CONTATOS DA AUTORA: lucianacanuto@uol.com.br

       Então, pessoas lindas, se gostaram, não se esqueçam de curtir, comentar e compartilhar.
Prestigiem a autora e o blog.

Beijos e até a próxima!
Créditos:
Resenha: Vanda Costa
Imagens: Tiradas da Internet
Músicas: Youtube
Diagramação: Vanda Costa


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.