[Especial Mulheres] Entrevista Fê Friederick Jhones

Olá Clubenautas.
O dia 8 de março foi instituído como o “Dia Internacional da Mulher”
Então, nada mais justo do que conhecer um pouco sobre o que pensam as mulheres que dão vida ao nosso blog.
Primeiramente vamos apresentar a autora da vez!

Autora Fê Friederick Jhones

Eu sou uma apaixonada por histórias e pessoas, minha primeira escolha então foi a Psicologia, as palavras sempre fazendo meu mundo ter mais sentido, palavra cantada, escrita, falada, eu amo qualquer tipo de arte. Sou uma boba que chora com dramas de amor, amo finais felizes e clichês românticos, gosto de torcer por personagens que só existem na minha imaginação e passo horas em mundos variados, criando-os ou conhecendo-os pela voz de outros. Escrevo porque preciso e não saberia viver sem isso, artigos, reflexões, frases, contos, poesias, romances, todos os meus pedaços que dou ao mundo. Sou mãe de uma lady peluda que se chama Belle e tenho um marido lindo chamado Deivid Jhones, de quem roubei o sobrenome. Nasci na terra do acarajé, mas moro na cidade do bolo de rolo. Prazer, eu sou a Fê!

Contato nas Redes Sociais com a Autora:

FACEBOOK -  WATTPAD -  TWITTER - SKOOB -  SITE TDL -  COMPRE AQUI  


Vamos nessa?


1 – Apesar de já ter obtido muitas conquistas na história, na política, nas artes e no mercado de trabalho, ainda é notório certo preconceito em relação ao papel da mulher na sociedade. Como você se sente em relação a esse fato? Acha que ainda existe muito preconceito?  (Vanda)
Existe sim, mas ainda não senti isso na pele. Acredito que por ter uma profissão que predominam as mulheres (psicologia), não passei por nenhuma situação em que me senti diminuída por ser mulher. Só que sei que essa não é a realidade de milhares de mulheres por aí, que não apenas tem sua capacidade questionada, como precisam provar bem mais do que os homens, sem falar nas diferenças salariais e de oportunidade. Mas acredito que se já conseguimos conquistar tanto, podemos ainda mais.
2 – O processo de criar e escrever histórias e personagens consome muito tempo, disciplina e envolvimento. A grande maioria das autoras que conheço, além de exercerem alguma profissão, acumulam funções de dona de casa e mãe. Para você esse fator é irrelevante, estressante ou estimulante? (Vanda)
Estressante e estimulante ao mesmo tempo. Sou uma pessoa hiperativa, então quanto mais tarefas, melhor consigo gerenciar meu tempo. Gosto de agenda cheia e ficar cansada no fim do dia. Mas confesso que o estresse por causa de tantas coisas acaba desgastando minha saúde e algumas vezes é preciso pausar.
3 – Quando se é mulher, com raríssimas exceções, em qualquer área profissional as chances são menores (é como se a mulher tivesse que provar com mais exigência e rigor sua competência). Você acha que devido a esse fator, muito talento e competência são desperdiçados? Já passou por situação semelhante? Qual seu sentimento em relação a isso? (Vanda)
São desperdiçados sim. Nunca passei por nada semelhante, acredito que pelo motivo já citado de estar numa profissão com maioria feminina. Mas meu sentimento por saber que essas situações existem, é de indignação, unida à esperança por acreditar que a força feminina pode e vai mudar muitos quadros de preconceito.
4- Quais são suas expectativas em relação ao mercado literário no Brasil? Como você vê a atuação das mulheres nele? (Vanda)
Pelo que vejo somos maioria no ramo da literatura. Existem benefícios, mas percebo que também existem segregações. Por exemplo, mulher “pode” escrever erótico, drama, romance, chick-lit, mas é “meio estranho” quando uma mulher resolve escrever policial, por exemplo. Tenho uma colega e amiga, a Priscila Ferreira, ela escreve policial, maravilhoso por sinal, mas é a única autora que eu conheço e sei como ela batalha pelo lugar ao sol, escrevendo o que gosta, independente de ser mulher. Acho que ainda existe na literatura esse preconceito do que os gêneros podem ou não escrever. E não só com a mulher, com os homens também, que em teoria, não “deveriam escrever” certos gêneros como erótico. O que precisamos fazer é escrever. Escrevermos o que quisermos, porque gostamos e vamos conquistar nosso espaço. Não há motivos pra este preconceito, então não podemos reforçar ele nos omitindo ou deixando de escrever porque vão achar estranho. Escrever o que faz sentido, o que acreditamos e o que queremos dizer ao mundo.
5 – É claro que você já ouviu alguma coisa do tipo “lugar de mulher é na cozinha” (Aff!). Para você, onde é o lugar de mulher? (Vanda)

Em qualquer lugar que ela queira! No dia da mulher fui ao hospital acompanhando minha sogra, na fila de espera, recebemos uma caixa de caldo de carne e um suco em pó como “mimo do dia das mulheres”, e todas as mulheres na fila começaram a falar sobre o fato daquilo ser uma sutil mensagem de que lugar de mulher é na cozinha. E é, mas só se ela quiser!



6 – Basicamente, no seu livro, o personagem principal é feminino. Quais características pessoais elas levam de vocês? Se fosse para escolher uma para representar o Dia Internacional da Mulher, qual seria e por quê? (Giuliana)
Difícil essa. Escrevi sobre mulheres diferentes, mas com facetas tão bacanas que qualquer uma poderia ser escolhida. A Valerie de Ímã de Traste é sonhadora e incansável. A Anitta de Venenosa é forte e protetora com quem ama. A Celina de Colorir, que ninguém conhece ainda, enfrentou a batalha contra o câncer, como muitas guerreiras que eu conheço. A Bruna do conto Como Escolher, sustentou sua escolha por mais difícil que fosse. Então qualquer uma dessas mulheres poderiam representar esse dia. E de mim? Elas levam os sentimentos variados e os sonhos que as movem.
7- No dia Internacional da Mulher qual mensagem vocês deixariam para suas leitoras? (Giuliana)
Sejam quem vocês sonharam ser, por mais ousado que possa parecer!
8- Quais autoras influenciam ou influenciaram sua decisão de seguir com a carreira de escritora e em qual aspecto? (Giuliana)
Na minha decisão, nenhuma. Essa escolha veio de mim mesma e da minha necessidade em colocar meu mundo pra fora. Nunca fui de falar, então a escrita é meu desabafo. Agora, depois da decisão tomada, depois que me descobri escritora, então algumas autoras são exemplos de que nunca posso me contentar com o que escrevi, sempre posso melhorar: Babi A. Sette, Priscila Ferreira, Lucinda Riley, Elaine Elesbão, Cecelia Ahern, Francine Rivers e claro: Jane Austen.
9 - Nos conte um pouco mais sobre a mulher que existe por trás da escrita. Quais são seus medos, desejos e sonhos? (Giuliana)
Eu tenho medos bobos como de avião e elevador, tenho medos profundos como de perder quem eu amo. Tenho desejos simples como uma bela torta de chocolate, tenho desejos complexos como ser mãe. Tenho sonhos pequenos de comemorar meus 30 anos em Salvador, tenho sonhos gigantes como viver dos meus livros. Eu sou de tudo um pouco, diferente e igual a todo mundo.
10- Sobre o seu trabalho mais recente, o que as personagens principais têm a oferecer de ensinamento e qual a obra em questão? (Giuliana)



Venenosa. Acredito que o maior ensinamento da Anitta é do da capacidade que temos de nos superar e de perdoar. O perdão é a palavra-chave desse livro, perdão que damos aos outros, perdão que damos a nós mesmos. Muitas vezes nos fechamos na tentativa de nos proteger do mal, acabamos também perdendo o amor que as pessoas podem nos dar. Aprendi isso com Anitta enquanto escrevia, precisamos arriscar e remover os tijolos das nossas muralhas, vencermos o mal e ganharemos o bom. Essa é a beleza de sermos humanos, essa capacidade infindável do nosso coração se refazer, mesmo depois das maiores dores.




Obrigada meninas pela disponibilidade de fazer essa entrevista, que vocês tenham muito sucesso, vencedora todas vocês já são pelo simples fato de seguirem seus sonhos através da escrita, nós admiramos demais o trabalho de cada um de vocês!

8 comentários:

  1. Muito boa a entrevista. Eu, sinceramente, acho essa uma ótima forma de aprender um pouco mais sobre os autores e ter esperança de vir a ser uma também.
    Gostei de como respondeu com sinceridade, tanto ao dizer que nunca sofreu na pele o preconceito que sabe existir no mundo assim como ao dize que mesmo podendo ter se inspirado na escrita de muitas autoras, nenhuma delas realmente influenciou em sua decisão de escrever.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Parabéns pela entrevista! Conheço a Fê, mas ainda não tive o prazer de ler suas obras! As perguntas ficaram ótimas e sim, ela tem razão! Lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive na literatura!!!!! Preconceito é algo cruel, pena que não será erradicado tão cedo, infelizmente.

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Ainda não conhecia a autora *-* percebi só agora que a maior parte dos meus livros foram escritos por mulheres ♥ adorei...haha'
    Infelizmente ainda há um certo preconceito contra as mulheres, e, mais infelizmente ainda, muitas ainda aceitam o que lhes é imposto pela sociedade, aceitam que "merecem menos porque são frágeis" ou porque são mulheres :/

    ResponderExcluir
  5. Olá... vi esse livro hoje nas redes sociais.. uma amiga publicou que chegou para ela... até então não conhecia nem a autora e nem o livro, mas eu gostei muito de suas respostas... e concordo com a frase dela... eu só acredito que na etapa de vida que estamos... superamos e conseguimos muitas coisas e podemos muito mais... adorei saber um pouco dela e do livro... xero!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Nossa, adorei a entrevista, as perguntas e respostas foram muito inteligentes.
    Sou mulher e Engenheira Civil, por conta disso, é muito difícil encontrar um emprego e, além da dificuldade, quando encontro, passo por vexames, pois, como uma mulher pode mandar em vários homens? Já ouvi coisas sobre isso que machucaram demais.
    Concordo com a autora, as mulheres devem ser o que sonharem.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Adorei a entrevista e o recorte que vocês fizeram para o dia da mulher. O assunto é muito importante e precisa ser amplamente discutido em todos os meios de comunicação. Concordo com a Fê em suas respostas, eu tbm tenho uma profissão onde somos a maioria (professora) mas as dificuldades que encontramos no mercado de trabalho ainda são muitas.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  8. É isso aí, as mulheres estão, merecidamente, conquistando cada vez mais espaços. Ainda há muito sexismo e problemas, mas felizmente as coisas estão melhorando e hoje é possível que mulheres talentosas, como a Fê, mostrem seus trabalhos e apareçam.

    A entrevista foi muito boa, as perguntas pertinentes e o link com o dia das mulheres funcionou bem, parabéns.

    ResponderExcluir


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.