Postagem em destaque

[Promoção Mães Leitoras] com Rô Mierling e blogs parceiros (serão 7 ganhadores!)

Olá queridos leitores! Em comemoração ao Dias das Mães , a escritora Rô Mierling e blogs parceiros se reuniram para presentea...

[Especial Mulheres] Entrevista Katerine Grinaldi

Olá Clubenautas como vocês já perceberam estamos trazendo nesse mês de Março uma série de entrevistas, pois o dia 8 de março foi instituído como o “Dia Internacional da Mulher”. Então, nada mais justo do que conhecer um pouco sobre o que pensam as mulheres que dão vida ao nosso blog.

Vamos conhecer a Autora da rodada?
Conheçam (ou relembrem) da linda e talentosa...

Katerine Grinaldi

Nascida e criada no Rio de Janeiro, Katerine Grinaldi já visitou lugares que não estão nos mapas convencionais. Isso graças ao seu amor pela literatura, tanto no ato de ler como no de escrever.Encantada com histórias que fazem pensar e por personagens de apaixonar, Katerine decidiu criar outros mundos para que leitores – como ela - pudessem visitar.Advogada, ela não abandona um de seus maiores prazeres: escrever.A Herdeira, seu primeiro livro, foi lançado na Bienal do Livro de 2015.

CONTATO:   FACEBOOK - GRUPO NO FACEBOOK - SKOOB - WATTPAD - AMAZON

 
 
Vamos nessa?

1 – Apesar de já ter obtido muitas conquistas na história, na política, nas artes e no mercado de trabalho, ainda é notório certo preconceito em relação ao papel da mulher na sociedade. Como você se sente em relação a esse fato? Acha que ainda existe muito preconceito?  (Vanda)

Kate: Sim. Acho que o mundo ainda é machista e acredita que as mulheres não são capazes de ocupar cargos iguais, mas ainda assim acredito que a sociedade venha evoluindo.
Sinceramente eu sinto que o mundo é um pouco cruel com as mulheres. Acho que nós, às vezes, até batalhamos mais para estar nas mesmas posições que um homem porque precisamos lidar com aviolência que, com certeza, ainda é algo que nos preocupa muito, precisamos lidar com os nossos hormônios ou a TPM e menstruação que muitos julgam como frescura (estou emprestando-a para quem pensa assim, ok?) e mesmo assim acham que não podemos ocupar os mesmos postos. Além do que muitas ainda precisam cuidar de suas casas como se fosse obrigação apenas das mulheres ser dona de casa e cuidar dos filhos. Acho, inclusive, que o preconceito com as mulheres não vêm apenas dos homens, muitas mulheres mesmo são machistas e falam coisas desnecessárias como, por exemplo, quando uma mulher tem um filho e o pai os abandona. Por que a culpa tem que ser da mulher? Se não tivesse sido fácil, não estaria carregando o bebê... Por favor, isso é ridículo.

2 – O processo de criar e escrever histórias e personagens consome muito tempo, disciplina e envolvimento. A grande maioria das autoras que conheço, além de exercerem alguma profissão, acumulam funções de dona de casa e mãe. Para você esse fator é irrelevante, estressante ou estimulante? (Vanda)

Kate: Estressante. Gostaria de verdade poder apenas escrever, mas o mundo ainda vive à base do dinheiro então não dá, né? Graças a Deus consigo conciliar tudo porque não consigo ficar sem escrever.

3 – Quando se é mulher, com raríssimas exceções, em qualquer área profissional as chances são menores (é como se a mulher tivesse que provar com mais exigência e rigor sua competência). Você acha que devido a esse fator, muito talento e competência são desperdiçados? Já passou por situação semelhante? Qual seu sentimento em relação a isso? (Vanda)

Kate: Nunca passei por nenhum preconceito por ser mulher, então, é bem difícil responder essas perguntas. Até porque a minha profissão de advogada permite a autonomia, então, não preciso ser avaliada por um superior.

4- Quais são suas expectativas em relação ao mercado literário no Brasil? Como você vê a atuação das mulheres nele? (Vanda)

Kate: Acho que as mulheres ocupam boa parte do mercado literário brasileiro e estão aí para mostrar o que a sociedade precisa ver: que temos nossos valores, que podemos ser independentes, que podemos ter tudo que quisermos e não esperar menos do que merecemos.
Minha expectativa é que ele continue crescendo e levando essas mensagens que podem, de fato, mudar o mundo.

5 – É claro que você já ouviu alguma coisa do tipo “lugar de mulher é na cozinha” (Aff!). Para você, onde é o lugar de mulher? (Vanda)
Kate: Onde ela quiser. Se quiser trabalhar, ótimo, se não quiser também. Lugar de mulher é onde ela se sinta feliz e realizada.


6 – Basicamente, no seu livro, o personagem principal é feminino. Quais características pessoais elas levam de vocês? Se fosse para escolher uma para representar o Dia Internacional da Mulher, qual seria e por quê? (Giuliana)


Kate: Kate West, da Saga A Herdeira. Como eu, a Kate não deixa de retrucar coisas que a incomodam, não deixa de lutar pelo que julga correto, é mente aberta porque está sempre disposta a ouvir novas ideias e não se sente nem um pouco inferiorizada por ser mulher. Em alguns momentos, ela é salva sim por um homem, mas em outros momentos é ela quem salva todo mundo, é ela quem enfrenta o perigo sem titubear ou achar que precisa de um ser masculino ao seu lado. As mulheres lutaram por direitos iguais e acho que um grande exemplo de desfrutar é falar de igual para igual, mostrar que suas palavras têm o mesmo valor que a deles.


7- No dia Internacional da Mulher qual mensagem vocês deixariam para suas leitoras? (Giuliana)

Que vocês nunca devem se sentir menos por serem mulheres. Acho que o que importa antes de qualquer coisa é o que sentimos e se nunca abaixarmos a cabeça para um ser machista, uma hora ou outra o mundo vai mudar.

8- Quais autoras influenciam ou influenciaram sua decisão de seguir com a carreira de escritora e em qual aspecto? (Giuliana)

Kate: Bem, minha autora favorita desde pequena é a Agatha Christie e depois acrescentei a Meg Cabot à lista. Quanto à Meg, acredito que a personagem principal de A Mediadora tenha tudo a ver com a mensagem sobre as mulheres também, ela é forte, corajosa e salva os rapazes, ora... kkkk
Mas a autora nacional que me ajudou muito, mesmo sem saber, foi a Tatiana Amaral. Se eu não tivesse achado o livro dela no Wattpad, nunca teria conquistado tantos leitores porque só depois disso que passei a usar a plataforma.
Fora isso, acho que nenhuma influenciou não, porque só vim a ter mais contato com as autoras após já escrever, afinal, comecei aos treze.
9 - Nos conte um pouco mais sobre a mulher que existe por trás da escrita. Quais são seus medos, desejos e sonhos? (Giuliana)

Kate: Meu sonho é viver da escrita, é poder me sentir recompensada por ter investido tanto no amor que tenho por escrever. Meus desejos são que nós, mulheres, possamos fazer o que quisermos, sem regras ou julgamentos, tenho muitos desejos, mas o que os resume é que o mundo volte mesmo a ser humano, se é que algum dia ele foi. Meus medos são de que tudo isso dito anteriormente dê errado.

10- Sobre o seu trabalho mais recente, o que as personagens principais têm a oferecer de ensinamento e qual a obra em questão? (Giuliana)

Kate: Meu trabalho mais recente ainda não foi divulgado, mas o que posso dizer sobre a minha personagem principal é que ela virá para mostrar aos leitores que podemos ter tudo que quisermos, desde que lutemos por isso. Que não é um não ou alguém próximo a você que vai lhe dizer o que você deve querer para sua vida, só você pode ditar as suas regras e suas escolhas e ao seu lado deve estar alguém que a apoie nisso, respeite os seus sonhos e não alguém que queira muda-la. A obra chama-se Na Mesma Página.



Obrigada Kate pela disponibilidade de fazer essa entrevista, que você tenha muito sucesso, vencedora você já é pelo simples fato de seguir os seus sonhos através da escrita, nós admiramos demais o trabalho de cada um de vocês autoras brasileiras!

Ass: Clubenetes


Está rolando um sorteio bem legal!!
Venham Participar!!
2 kits do lançamento "Pérolas de minha surdez" da autora Nuccia De Cicco , como os da imagem!
Clique AQUI que será redirecionado para o post do sorteio.
E Boa Sorte!!!

7 comentários:

  1. Oi!
    Adorei as respostas da Katerine, as mulheres já tiveram muitas conquistas mas ainda temos que lutar muito se quisermos igualdade. Mas o caminho é não desistir nunca e seguir em busca do que queremos, e nisso a Kate é um grande exemplo!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Estou acompanhando algumas das entrevistas e simplesmente amando! A Katerine eu não conhecia, mas gostei das respostas e de saber mais sobre ela.

    ResponderExcluir
  3. Olá... tudo bem?
    Achei a entrevista bem legal... a autora é bem simpática... e bem atenciosa... desejo muito sucesso a ela e concordo que o lugar da mulher é onde ela quiser... sempre!!!! Xero!!

    ResponderExcluir
  4. Oi, meninas!
    Adorei a entrevista, Kate! Você é uma mulher de opinião e de fibra! Também sou louca pela Susanna, de A Mediadora, ela é extrovertida, maluquete, e luta mesmo pelos seus ideais, mesmo que tenha de socar uns caras! ;)
    um beijo!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Nossa, adorei a entrevista.
    Gostei da sinceridade da autora, ela tem uma opinião bastante forte e formada. Sim, concordo com ela, o lugar da mulher é onde ela quiser.
    Gostei muito de saber que a Agatha é a autora favorita dela junto da Meg *-*
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi...adorei a entrevista. Já conhecia a autora, ela é muito talentosa. Agatha também é uma das minhas autoras preferidas, adoro o gênero!

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Oba, entrevista. Gosto muito de conhecer um pouquinho mais da mente dos autores e estas entrevistas têm ficado uma delícia. Já estou curiosa para saber mais sobre esse futuro livro que ainda não foi divulgado e sinto que gostarei dessa personagem que batalhará por seus sonhos.

    ResponderExcluir


Algumas regrinhas:

. Terminantemente proibido qualquer manifestação preconceituosa, racista, homofóbica e etc.. Respeito em primeiro lugar sempre.
. É claro que se você me seguir, eu vou lhe seguir, só dizer que seguiu no comentário e colocar seu link (não só segui me segue de volta, ok?)

Obrigada por comentar... a sua presença é muito importante para nós.

Volte sempre ^^

Clubenetes.